Pet Roommate

Confira estas 10 dicas para que seu pet viva feliz.

Por Camila Moschen

Quem tem bichinho de estimação sabe que para haver a troca de amor incondicional que recebe, precisa fazer algumas concessões. É preciso dedicar tempo, afeto e dinheiro nos cuidados do nosso melhor amigo.

Há muito os pets deixaram de morar na área de serviço. Hoje eles convivem com seus donos em todas as partes da casa. Há até brinquedos e caminhas feitas sobre encomenda, combinando com o restante da mobília.

É preciso lembrar que seu companheiro precisa também de segurança e, por isso, provavelmente seu lar necessite de algumas adaptações. Confira estas 10 dicas para que seu pet viva feliz:

1) Tecidos:

Gatos adoram afiar as unhas, por isso providencie um arranhador. Quanto mais fechada for a fibra, mais  difícil de ser desfiada. Camurça, lona e algodão ajudam.

2) Rotina:

É preciso ensinar com amor e paciência seu filhote a fazer as necessidades no lugar adequado (e carregá-lo no colo até entender que o corredor e hall do prédio são áreas proibidas). Existem diversos produtos em gotas e spray disponíveis no mercado (Xixi Sim/ Xixi Não) que podem ser aplicados em cada ambiente. Além disso muitos pets habituam-se a usar a hora do passeio para isso. Programe-se para levá-lo pra passear em horários semelhantes diariamente. Muitos condomínios oferecem o serviço de pet walk.

3) Solidão:

Seu pet é seu melhor amigo? Pois bem, ele deve sentir sua falta enquanto você está trabalhando. Para pets adultos, sintonizar o rádio e deixá-lo ligado em volume bem baixinho pode acalmar e fazer com que ele se sinta mais seguro. Se ainda estiver adaptando a rotina de um filhote, encha uma garrafa pet com água quente (pequena ou grande, de acordo com o tamanho do seu bichinho) e a enrole com uma peça de roupa sua, aquele moletom que você usou para correr. O filhotinho irá se aninhar nessa “mamãe quentinha”e dormir tranquilamente.

4) Socialização:

Alguns pets se relacionam bem com outros animais, inclusive de espécies diferentes. Outros gostam de pessoas. Alguns são antissociais. Como seu pet não sabe explicar seu humor, cabe a você comunicar seus vizinhos sempre que houver um encontro. “É mansinho!” “Cuidado, pode se assustar e arranhas!”. Você deve repetir o aviso em todos os encontros. Embora seu pet seja único para você, seu vizinho pode achar que seu shitzu é igual ao do vizinho do 1º andar, e um pode ser dócil e o outro avançar.

5) Desculpe-se:

Se o gato escapar e desfiar o tapete da entrada da vizinha, o cachorro roubar o lanche de uma criança, o coelho comer a folhagem do hall, tente reparar a má criação com bom humor. Escreva um bilhetinho em nome do seu pet, com uma fotinho dele com cara de arrependido e substitua o objeto danificado ou ofereça um mimo como pedido de desculpas. Não há quem resista a tanta fofura!

6) Odores:

Mantenha a higiene do pet em dia. Tenha sempre lencinhos umedecidos ao alcance para limpar babas e patinhas sujas ao circular por áreas comuns. Sprays neutralizadores para pets e para o ambiente também seguram a onda no intervalo entre os banhos.

7) Saúde:

Mantenha seu pet com a vacinação em dia. Se por ventura ele for acometido por uma doença contagiosa, é prudente respeitar o período de isolamento e avisar aos demais moradores do condomínio. Ë provável que outros pets possam estar em risco, ou ainda doentes, afinal o contágio deve ter ocorrido em região por onde todos circulam.

8) Viagem:

Se você for se ausentar é bom providenciar alguém para ficar hospedado em seu apartamento cuidando do pet ou procurar um hotel para que ele possa esparecer por alguns dias.

9) Multas:

Embora o bom senso seja de que todos zelem pelos seus pets e seus detritos, muitos abusam do “ninguém está vendo”. Por isso evite o constrangimento de advertências e multas e faça sua parte. Limpe, use coleira e guia, segure o cão no colo ou ceda a vez no elevador. Esteja bem informado sobre as normas do seu condomínio.

10) Segurança:

Use telas protetoras para evitar acidentes. A queda de animais domésticos de janelas e sacadas é comum.